4 maneiras para você se manter até se recolocar no mercado de trabalho

4 maneiras para você se manter até se recolocar no mercado de trabalho

E o desemprego bateu na sua porta? É realmente um momento muito difícil, de questionamentos, dúvidas e incertezas.

E quando falamos de um Brasil com uma taxa de desemprego de 13% em março de 2018, chegando a quase 14 milhões de pessoas, o cenário é bastante nebuloso e precisamos estar preparados para um período sem emprego que pode ser mais longo do que imaginamos.

E no meio de tantos dilemas, a questão mais crítica é certamente a financeira.

Até quando minha reserva financeira sustentará sem um emprego? Que padrão de vida eu quero manter durante esta fase? Que padrão de vida eu posso ter?

São perguntas que surgem para todos e independem da situação financeira. Neste artigo, vamos falar de 4 maneiras para você se manter até se recolocar no mercado de trabalho.

Acreditamos que pode ser muito útil para seguir em frente mais seguro.

1. Mapear completamente as Finanças

Infelizmente é comum as famílias só se preocuparem em controlar as finanças em momentos de crise. O resultado é pouca coisa a ser melhorada, porque tem compromissos futuros firmados ou não há gestão sobre eles.

Você não sabe por quanto tempo estará desempregado e também não quer que a reserva financeira atual, às custas de muito esforço, seja consumida totalmente.

O passo é levantar o seu cenário financeiro:

  • Mais amplo possível. Relacionar todas as receitas e despesas, incluindo aquela despesa anual esquecida que em breve vai aparecer.

Aqui a tática é lembrar de tudo.

  • Mais realista possível. Não subestimar os valores das despesas, usando números reais e prevendo aumentos. E não superestimar as receitas.

Aqui a tática é ser transparente.

2. Definir um Orçamento desafiador, participativo e controlado

Essa é a hora da verdade sobre as contas da família. E o comprometimento será fundamental.

  • Defina um horizonte de desafio. Ele não deve ser curto demais que não transmita a criticidade do momento e nem longo demais que permita recuperar lá na frente os meses não atingidos.
  • Independe do percentual da sua renda no orçamento, é uma receita parada que fará falta.
  • Muitos pais preservam os filhos neste momento. Nada é mais prejudicial ao amadurecimento deles – é uma experiência que ensina muito. E podem contribuir com ideias que cabeças cansadas não percebem.
  • Orçamento ruim se controla, orçamento bom também. Lembre-se que é uma fase com menos receita e mesmo que o saldo atual seja positivo, ele pode deixar de ser à medida que o emprego não surge e as contas chegam.
  • Algumas ações podem ser implementadas, com prazos e responsáveis:
  1. Cortar ou reduzir ao máximo despesas não essenciais – Lazer, Vestuário, Presentes e Viagens.
  2. Discutir e ouvir opções de redução para contas essenciais – Mercado, Energia, Gás.
  3. Renegociar – Colégio, Aluguel, Financiamentos.
  4. Suspender ou rever planos – Viagens, Cursos.

Evidentemente um Intercâmbio quase quitado não precisa ser cancelado. Vale o bom senso para as tomadas de decisão em cada item.

E abra uma nova linha de Despesa: Qualificação. Vamos falar dela agora.

3. Invista em qualificação sem preconceito

É importante estar atualizado com as técnicas e mudanças da sua área profissional enquanto estiver desempregado. Elas vão se tornando parte dos requerimentos em processos de seleção. E temos boas notícias neste ponto, nem tudo é ruim:

  • Se não puder fazer a certificação (custo), procure ursos de atualização mais baratos. A Internet tem opções com ótimos preços como a Udemy ou até gratuitos.
  • A qualificação pode ser fora da sua área mas relacionada. Já pensou em um curso de Redação de Conteúdo Web para um jornalista? Pode revelar um novo caminho profissional mais prazeroso.

A regra é não deixar a qualificação parada.

4. Reinvente-se sem medo

Os mercados de Trabalho e de Negócios nunca foram tão dinâmicos como nos dias atuais. As oportunidades são diversas, principalmente para quem tem experiência profissional.

  • Tornar-se um Consultor na sua especialidade e trabalhar como Pessoa Jurídica.
  • Associar-se a outras pessoas e abrir um negócio.
  • Investir em trabalhos de freelancer e abrir uma empresa de Prestação de Serviços.

Talvez a experiência ruim do desemprego desperte um profissional mais motivado, fazendo o que satisfaz e ganhando dinheiro.

Neste artigo, procurei abordar os pontos que podem ajudar você a se manter enquanto procura recolocação no mercado.

Porém, imprevistos acontecem, exigem mais do que você fez e colocam em risco as suas finanças e o seu crédito. Nestes casos, um empréstimo pode ser uma alternativa.

E não precisa ser algo tão difícil e caro como as soluções tradicionais. No blog Bons Investimentos, você tem tudo sobre plataformas online de empréstimos e empréstimos para negativados. É informação qualificada de profissionais de Finanças, que recomendo.

3 ótimas dicas para o sucesso como Autônomo!

Milhões de pessoas em todo o Brasil acordam diariamente buscando espaço profissional atuando como Autônomos.

São pessoas que infelizmente foram demitidas; muitas buscam um complemento de renda ou simplesmente preferem este caminho para sair de ambientes corporativos pouco saudáveis ou carreiras sem perspectivas no emprego formal.
Trabalhar por conta própria pode trazer um prazer de ser profissionalmente independente, responsável por todas as ações e também o beneficiado pelos lucros. Além de poder ajustar a vida profissional à pessoal e ganhar mais qualidade de vida, trabalhando de casa – o home office.

Mas até para profissionais experientes existe a dúvida sobre quais os caminhos são os melhores, no meio de tantas opções, especialmente com os negócios da internet.
Vamos falar um pouco destes caminhos, de 3 ótimas dicas para o sucesso como Autônomos.

Prestadores de serviços

Além dos serviços há décadas tradicionais como Prestação de Serviços – limpeza, segurança, conservação – hoje em dia algumas atividades que eram tradicionalmente internas nas empresas já podem ser oferecidas como autônomas. Podemos encontrar profissionais como:

  • Contadores.
  • Secretárias executivas.
  • Profissionais de TI – manutenções e funções técnicas.

Com as crises econômicas recentes e as mudanças trabalhistas, as empresas preferem contratar prestadores de serviços que podem se dedicar a várias empresas e, com isto, ter um custo menor por empresa, além da economia com direitos trabalhistas e benefícios.
Desta forma elas mantém o nível de qualidade de muitos serviços, com profissionais com experiência, às vezes adquirida na própria empresa contratante.
Um desafio é precificar sua atividade. É recomendável pesquisar bastante com amigos da mesma área, associações e sites de trabalho para valorizar corretamente seu trabalho.

Serviços pela Internet

A grande rede é um mundo de oportunidades para quem está disposto e tem afinidade com o mundo virtual. Praticamente todas as pessoas usam a internet para comprar serviços e produtos, participar de redes sociais e de relacionamento.

O Marketing Digital é o grande nicho de negócios onde muitas pessoas podem ser bem sucedidas, especialmente quem tem habilidades de informática, para os mais variados serviços:

  • Criação e administração de sites de pequenas e médias empresas.
  • Produção de conteúdo digital para os sites e blogs.
  • Venda de Infoprodutos – ebooks, webaulas, cursos online.
  • Além disto, é possível criar o próprio Negócio Digital de acordo com a experiência profissional e aplicar todas as técnicas acima para divulgar e vender serviços. É uma estratégia que pode ser uma forma de vender as atividades da nossa dica 1.

Vendas de itens importados

É um grande nicho ainda a ser mais explorado. É possível abrir uma loja virtual para representar itens importados com regularidade, dos mais variados nichos. Mas porquê?
O mercado de importados ainda possui um grande potencial de crescimento pelos dois motivos bastante conhecidos:

  • Preço. A diferença, mesmo com impostos, costuma ser grande. Aqui temos um segredo:
    escolher cuidadosamente os fornecedores para potencializar os lucros.
    Qualidade. É reconhecido que, apesar da concorrência interna ter crescido muito em todos os produtos, forçando a melhoria de qualidade dos itens nacionais, em muitos os importados ainda oferecem mais qualidade. É um diferencial importante nestes tempos em que os consumidores são cada dia mais exigentes – afinal eles podem conhecer tudo que o mundo produz e sabem que é possível comprar ou ter alguém que compre.

É possível fazer isto trabalhando de casa, dependendo da mercadoria. E muitas vezes é possível representar as vendas sem a necessidade de fazer estoque local. Basta usar o dropshipping – vender estoques que estão sempre nos fornecedores – e cuidar das compras e das vendas.
E para ter sucesso na venda de importados pela internet e fisicamente?

O primeiro passo é um ótimo Curso de Importação, eu recomendo o academia do importador. Nele é possível dominar todos os aspectos do processo de importação de produtos sem sustos:

  • Conversão de moedas.
  • Políticas de restrições de compras em países.
  • Tipos e custos de remessas.
  • Documentação exigida para remessa e retirada no Brasil.
  • Legislação brasileira.
  • Processo de retirada.
  • Com um Curso de Importação e um mercado tão grande para explorar os mais variados produtos, o sucesso é garantido!

 

ferramentas-trabalhar-em-casa-3

5 ferramentas essenciais para trabalhar em casa com sucesso

Tenho certeza que você já ouviu falar que é ótimo trabalhar em casa – a liberdade de escolher o que você quer fazer, quando você quer fazer isso e sem as dificuldades de longos deslocamentos, colegas fofoqueiros ou um chefe respirando no seu pescoço.

É verdade que as oportunidades de trabalhar em casa cresceram 103% desde 2005. Mais pessoas estão saindo do emprego 8 às 17 e querendo ser freelancer, empreendedor ou apenas querem ganhar alguma renda online.

E não há escassez de trabalhos para trabalhar em casa disponíveis para mães que ficam em casa também; você nem precisa de um diploma ou experiência para começar.

Mas trabalhar em casa é um desafio todos os dias. Você precisa da motivação para se colocar lá e do foco para gerenciar seu trabalho.

Você também não pode iniciar um negócio baseado em casa em seu smartphone. Sem o equipamento certo, será difícil começar e até mesmo expandir seus negócios no futuro.

Se você tem interesse em blogar para ganhar a vida, tenho um tutorial simples sobre como iniciar um blog para sua empresa.

Para ajudá-lo, aqui estão 5 ferramentas (e um bônus) que uso para executar um negócio de redação freelancer.

ferramentas-trabalhar-em-casa-1

Descubra como trabalhar em casa!

1. Computador ou Laptop

Eu sei – isso é básico. Claro, você pode usar seu laptop antigo a partir de 2002 ou uma versão antiga do Windows XP para administrar sua empresa, mas logo descobrirá que isso não vai funcionar.

Eu pessoalmente tenho um MacBook Pro usado de 2012 que está totalmente atualizado com um SSD e maximizado na RAM.

2. Um sistema de gerenciamento de tarefas

Com qualquer trabalho que você decida fazer – seja escrevendo por escrito, ajudando virtuais ou abrindo sua própria loja, você precisa de um sistema para acompanhar suas tarefas e a contabilidade.

Para mim, são o Trello e o Google Sheets.

Trello

É uma ferramenta organizacional para seus projetos. Você pode fazer várias fichas e dentro de cada uma dessas você pode atribuir tarefas durante a semana.

Eu tenho várias placas para o trabalho e para casa. O que eu mais uso é Tarefas de Escrita Semanal. No domingo, eu atribuo todas as minhas tarefas relacionadas à escrita e gradualmente as movo para os dias correspondentes.

Agora, eu também uso uma caneta e papel comuns para escrever tarefas “no momento”, mas o Trello parece me ajudar a organizar minha semana.

Google Drive

Eu amo o Google Drive! Eu não tenho que clicar em “salvar” depois de tudo e posso personalizá-lo para o meu gosto. Como meu negócio tem crescido ultimamente, eu precisava de um sistema de gerenciamento de projetos que pudesse me dar uma ideia do que precisa ser feito.

Se você ainda não descobriu o Google Drive, faça login na sua conta e divirta-se!

3. Um nicho ou serviço

Você decidiu que quer ficar em casa e trabalhar. Se você é uma mãe, então isso é exatamente o que eu fiz. Eu tenho gêmeos e sabia que queria ficar em casa e cuidar deles. Mas eu tinha que encontrar uma maneira de ganhar uma renda.

E eu fiz isso primeiro descobrindo o que eu deveria fazer e, em seguida, que tipos de serviços eu deveria oferecer.

Desde que eu gosto de escrever, a escrita freelance foi um ajuste natural. Há muitos tipos diferentes de escrita que você pode fazer on-line – redação, escrita de blog, redação de artigos, conteúdo de sites, resenhas, reescritas, a lista pode continuar.

Eu escolhi a escrita do blog, a redação do artigo e o conteúdo do site quando comecei. Depois de descobrir o que você quer fazer – fotografia freelance, design gráfico, coaching, gerenciamento de blogs, sente-se e pense nos serviços que deseja oferecer.

Eu recomendaria começar com apenas um punhado de serviços e com o tempo você pode diminuir ou melhorar o que você está oferecendo.

4. Um site

Você sabe a única coisa que melhorou drasticamente minha renda? Ter um website dedicado aos meus serviços.

Quando comecei, tinha um perfil numa rede social e não conseguia nenhum emprego. Mas, assim que criei meu próprio site e me coloquei lá fora, tudo mudou!

ferramentas-trabalhar-em-casa-2

Aprenda quais as ferramentas para trabalhar em casa!

Meu site teve muitas mudanças desde que eu comecei, sempre mudo meu design e aparência geral. Mas, se você é novo, não precisa se preocupar muito com a otimização do seu site.

Se você tiver um blog estabelecido, vá em frente e coloque uma página de serviços ou uma página de contratação. Com o tempo, você pode planejar ter um site separado dedicado aos seus serviços.

Para divulgar o seu blog, você pode fazer um curso de seo online.

5. Uma ferramenta de agendamento

Como uma mãe que trabalha em casa, o tempo é difícil de conseguir, certo? Especialmente se você tiver pequenos para cuidar durante esse dia.

Você tem datas, tarefas, culinária e muitas outras tarefas no dia do seu filho! Isso é muito. E não se esqueça que você tem que escrever um post no blog, obter um gráfico e promover o seu post, assim como terminar qualquer trabalho do cliente que você tenha.

Então, para ajudar você a economizar tempo, invista em uma ferramenta de agendamento como o Tailwind. De longe, a melhor ferramenta que usei para criar meu blog para mais de 20.000 pageviews por mês.

6. Bônus! Um lugar para trabalhar

Você trabalha em casa, mas isso não significa que você pode trabalhar em qualquer lugar da sua casa. Claro, você pode apoiar os pés no sofá enquanto preenche um pedido ou edita uma peça em seu laptop.

Mas, com o tempo, tentar trabalhar em locais diferentes ao redor da casa irá atrasá-lo e você notará uma diminuição na produtividade. É por isso que tenho uma mesa no meu quarto. Coloco meu laptop em um suporte, conecto meu teclado e mouse sem fio e estou pronto para produzir.

ferramentas-trabalhar-em-casa-3

Aprenda a utilizar as ferramentas certas para trabalhar!

E como tenho filhos pequenos, gosto de ter um local central para minhas anotações e materiais de escritório (como minha água, caneca de café e canetas).

Se você tem um lugar pequeno, você pode achar que você tem que montar uma loja em sua cozinha ou em seu escritório. Meu marido também trabalha em casa e faz a maior parte de seu trabalho no andar de baixo, no quarto de hóspedes. Mas ele também gosta de trabalhar no andar de cima e está pensando em colocar uma mesa na sala de estar.

Então, faça o que já funciona e cumpra-o! Trate o seu negócio em casa como um trabalho que você iria para ele.

Não há muitas coisas que você precisa para começar: um laptop, um sistema de gerenciamento de tarefas, um serviço, um site e um lugar para trabalhar.

Você já pensou em trabalhar em casa?

Desempregado? Veja estas dicas para economizar enquanto procura uma recolocação no mercado

Estar desempregado nunca é um momento simples e nem fácil.
É um grande desafio, principalmente em tempos difíceis como o que o Brasil vive nos últimos anos e com perspectivas ainda pequenas de que o mercado de trabalho melhore. A inteligência em lidar com este momento é fundamental – e pode preservar a saúde física e mental, o que ajuda a manter-se em equilíbrio para buscar as oportunidades.
Você está desempregado? Veja estas X dicas para economizar enquanto procura uma recolocação no mercado.

1. Qualificar-se sempre, mas com baixo custo

Uma palavra de ordem a todas as pessoas desligadas é qualificar-se. Por mais que a pessoa faça cursos enquanto está empregada, o mundo aqui fora exige conhecimentos que só nos damos conta quando olhamos para ele.
É fundamental e é possível gastando bem menos.

Existem portais de conhecimento onde podemos agregar conteúdo, como o Udemy e o Descola, com preços baixos e cursos de ótima qualidade, especialmente em tecnologia.
Além disto, sites de autoridades disponibilizam e-books gratuitos para diversos assuntos.

Assista a live que ensina como ganhar dinheiro na internet

2. Mude seus hábitos e se surpreenda melhorando a vida

É importante readaptar a vida às restrições de não ter alguns benefícios.

  • É possível almoçar fora, mas estabeleça uma meta diária/mensal que seja menor que o benefício no emprego, procure alternativas para atingi-la e controle diariamente.
  • Sobre locomoção, a saúde agradece: ande a pé ao máximo ou com transporte público.Lembre que você não precisa mais das horas e distâncias de carro até o trabalho, pelo menos por enquanto.

São mudanças saudáveis para as finanças, mas também para a qualidade de vida e isto devolve bem estar, que é fundamental para buscar um novo emprego.

3. Tome controle das suas finanças

É comum, estando desempregados, encontrarmos um orçamento pessoal e doméstico maior que a receita. Este desequilíbrio ficava escondido nos pagamentos de salário e bônus.
Algumas ações são essenciais para ter o controle de um recurso que só tende a diminuir enquanto não estamos empregados:

  1. Uma planilha detalhada das despesas mensais, pessoais e familiares.
  2. Controle diário dos gastos. Você vai descobrir ralos invisíveis no dia a dia.
  3. Revisão geral das despesas, cortando ou reduzindo.
  4. Renegociar o que for possível – aluguel por exemplo, cursos, plano de saúde.
  5. Revisões semanais, estabelecendo novas metas.

Para o sucesso deste controle, é fundamental o envolvimento e comprometimento de todos na família, mesmo os mais jovens. Mesmo que a sua renda não seja a principal, ela tem uma importância que vai impactar na realidade familiar.

4. Economize cortando investimentos e cuidando do que é essencial

O desemprego sempre impacta no equilíbrio financeiro e nos planos da família, e exige naturalmente que os investimentos e planos sejam revistos ou congelados.
Vender o automóvel (ou um dos) é uma forma de gerar receita extra e evitar custos. E adquirir outro quando estiver empregado é simples, com o mercado altamente competitivo.

Nestes novos tempos, todo o mercado de trabalho é oferecido pela internet – sites de empregos, de empresas e as redes sociais.

Muitas entrevistas são feitas por Skype e até por celular e, desta forma, é fundamental manter o computador e o smartphone em dia, para que não prejudiquem os contatos.
Porém, com a sofisticação crescentes dos equipamentos, uma tendência é reparar ao máximo, evitando trocas.

O conserto de um smartphone em uma rede de assistência técnica especializada Apple, no Rio de Janeiro e em São Paulo, como a iCaiu, é uma ótima forma de prolongar a vida útil e reduzir ao máximo o custo.

E colaboramos com o meio ambiente, reduzindo a produção de lixo tecnológico.
É uma excelente opção, não é mesmo?

Quem tem direito ao PIS?

Quem aqui já ouviu falar sobre PIS/PASEP?
Muitas vezes ficamos confusos com tantos detalhes e complicações das leis trabalhistas, mas desconhecer algumas delas pode fazer com que deixe de desfrutar de diversos benefícios.

O que é o PIS/PASEP?

PIS/PASEP é um número cadastral com onze dígitos obtido pelo Documento de Cadastro do NIS (DCN) e Cartão de CNPJ e, basicamente, é uma contribuição feita pelas empresas privadas para financiar o FGTS e o seguro-desemprego. Sua sigla significa Programa de Integração Social (PIS) e o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PASEP).

Este benefício foi criado em 1970 com o intuito de redistribuir a renda nacional e é atualmente administrado pelo Caixa Econômica Federal, no caso do PIS e pelo Banco do Brasil, no caso do PASEP. É mais conhecido popularmente pelo pagamento do abono salarial, que é feito anualmente.

Quem tem direito ao PIS?

Há uma pequena confusão quando fazemos a pergunta “Eu tenho direito ao PIS?”, pois na verdade, o registro do PIS é feito automaticamente quando um trabalhador é contratado pelo regime CLT por uma empresa privada. Desta forma, todos os trabalhadores possuem direito ao PIS e ao PASEP, conforme o tipo do seu contrato.

Na verdade, o que gera dúvidas é quem tem ou não direito ao ABONO SALARIAL do PIS. Diferente da explicação do que é o PIS, que pode parecer um pouco complexa, a conta do direito ao abono salarial é bem simples.

Pode sacar o abono salarial do PIS todos os trabalhadores contratados pelo regime CLT por uma empresa privada, que tenha seu cadastro no PIS por ao menos 5 anos, que receba um salário igual ou menor que dois salários mínimos e que tenha trabalhado por pelo menos 30 dias no ano anterior.

Como se cadastrar no PIS?
Se você continua perdido nesta história, saiba que você provavelmente já possui um cadastro no PIS, caso já tenha sido registrado pela CLT em alguma empresa. Esse cadastro geralmente é feito pelo empregador e o número se encontra na sua própria carteira de trabalho.

De qualquer forma, o cadastro ao PIS é feito pelo site da Caixa Econômica Federal e para efetuar, é preciso o número do NIS. O NIS por sua vez, é o Número de Identificação Social, que nada mais é do que um número cadastral feito para todos os trabalhadores com carteira de trabalho ou beneficiário de programas sociais como “Minha Casa, Minha Vida”, “Bolsa Família”, “Ciência Sem Fronteiras” e afins. Este número é encontrado nos cartões do benefício ou na carteira de trabalho.

Como sacar o abono salarial?

Se você já tem 5 anos ou mais do seu primeiro registro em carteira de trabalho, trabalhou registrado por pelo menos 30 dias no ano anterior e recebe menos de dois salários mínimos, você já pode procurar o seu abono salarial. Porém, é necessário ter em mãos o seu Cartão Cidadão e respeitar o calendário de pagamento do abono.

O calendário se inicia todo mês de julho e segue até dezembro, é disponibilizado para consulta no site da Caixa Econômica Federal, em todas as Lotéricas e agências da Caixa.

Para o ano de 2018 o calendário já está disponível:

Tabela do PIS para saque na Caixa Econômica Federal
Aniversário Podem Sacar em: Podem sacar até:
Julho 27/07/2017 29/06/2018
Agosto 17/08/2017 29/06/2018
Setembro 14/09/2017 29/06/2018
Outubro 19/10/2017 29/06/2018
Novembro 17/11/2017 29/06/2018
Dezembro 14/12/2017 29/06/2018
Janeiro e Fevereiro 18/01/2018 29/06/2018
Março e Abril 22/02/2018 29/06/2018
Maio e Junho 15/03/2018 29/06/2018

O valor do abono recebido é proporcional ao tempo trabalhado no ano usado para a base do cálculo, então multiplicado por 1/12 do valor do salário mínimo vigente na data do pagamento.

É legal saber, pois uma vez que não for sacado dentro da janela que a Caixa disponibiliza, o trabalhador perde o benefício, que geralmente é uma ótima ajuda de custo para quem pretende sacar.

Lembre-se, conhecer os seus direitos é tão importante quanto conhecer os seus deveres. No site da Caixa Econômica Federal é possível encontrar tudo sobre o PIS e PASEP, Cartão Cidadão, NIS, Abono Salarial, Programas Sociais, Carteira de Trabalho e mais.

Tags,

Medicina do trabalho o que é?

A Medicina do Trabalho ou Saude Ocupacional é um ramo da saúde que cuida do bem-estar e segurança no ambiente de trabalho. Surgida no final do século XIX, com o avanço dos direitos trabalhistas e em vigor desde o final da década de 70, fica estipulado por lei a responsabilidade do empregador com a saúde de seus funcionários.

Em 1994 surge o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional que obriga as empresas a realizarem os exames admissionais e demissionais para garantir o bem estar dos contratados. Também é responsabilidade da empresa agendar exames periódicos aos funcionários a fim de atestar um ambiente salubre e seguro para se trabalhar.

Quem cuida deste ramo da saúde são enfermeiros, médicos e peritos especializados a identificar e prevenir doenças ocupacionais ou acidentes de trabalho.

Mas o que é uma doença ocupacional?

 

Algumas funções oferecem riscos à saúde do funcionário, talvez por um movimento repetido por muitas horas, ou fatores aos quais os empregados são expostos que podem prejudicar sua audição, visão ou a integridade física como um todo.

 

Exemplos bem conhecidos são as LER – Lesões por Esforço Repetitivo, presentes em grande parte das indústrias com linhas de montagem.

É com o apoio da Medicina do Trabalho e dos Técnicos em Segurança do trabalho que estas lesões são identificadas e sanadas.

Imagine, por exemplo, uma indústria onde os empregados estão expostos constantemente a um barulho alto, a longo prazo a audição pode ser grandemente danificada. Através de exames e acompanhamento realizados por uma equipe de Saúde Ocupacional, se atestado este risco, em conjunto com Técnicos de Segurança do Trabalho podem oferecer uma alternativa de prevenção com o uso de plugues de ouvido que protegem os funcionários do barulho.

A Medicina do Trabalho tornou-se uma ferramenta muito importante aos direitos humanos e dos trabalhadores. Um exame admissional pode atestar que o funcionário entra na empresa com a saúde em dia, enquanto o demissional vai confirmar se o ambiente de trabalho ofereceu ou não perda na sua saúde. Em contrapartida, os exames periódicos e a fiscalização vão garantir que a empresa mantenha o ambiente de trabalho seguro e saudável.

A Defesa dos Direitos Humanos

A OIT (Organização Internacional do Trabalho), um órgão cuja principal função é a luta pela melhoria das condições de trabalho, foi criado após a Primeira Guerra Mundial, baseada principalmente no tratado de Bruxelas, que em 1910 elaborou pela primeira vez, uma lista com as principais doenças ocupacionais. Assim surgia a Medicina do Trabalho e a proteção aos trabalhadores.

A Medicina do Trabalho no Brasil

 

A Saúde Ocupacional só começa a ser aplicada em larga escala no Brasil no final da década de 70, com a expansão industrial do país. Com a constituição de 88 e as revoltas sindicais, o país consegue baixar o número de acidentes do trabalho que atingia um dos maiores números do mundo.

 

Hoje, muito já se foi ganhado com a Medicina do Trabalho, as empresas buscam deixar claro os direitos dos trabalhadores e o Governo mantém benefícios em casos de acidente, como o INSS e o CAT. Com a reforma trabalhista em vigor, depende mais ainda da equipe médica por trás da saúde ocupacional para atestar a salubridade do ambiente de trabalho e os riscos que este oferece aos funcionários.

Nem sempre levada tão a sério, mas importante na defesa dos trabalhadores de todo o mundo. A Medicina do Trabalho pode ser considerada um dos maiores ganhos conquistados pelos trabalhadores.

Tags,

E-Social o que é?

Para facilitar o trabalho dos contadores e reunir todos os dados e obrigações de uma empresa, o Governo Federal lançou o eSocial. Mas, este conceito ainda é um desconhecido para muitas pessoas.

Do que se trata o eSocial?

 

O programa eSocial visa reunir em um grande banco de dados todas as obrigações que uma empresa têm com o governo. Estão juntos neste projeto o INSS, a Receita Federal, o Ministério do Trabalho e Emprego e a Caixa Econômica Feredal.

Se por um lado isso pode assustar os empresários, pelo tamanho da organização exigida, por outro pode ser um grande facilitador na hora da prestação de contas e para o Departamento Pessoal e administrativo de cada empresa.

1

Basicamente, o Fisco passa a ter uma visão e um controle mais amplo sobre os empregadores, conseguindo acompanhar mais de perto o funcionamento empresarial e o cumprimento das leis trabalhistas e obrigações fiscais.

Através de um sistema unificado, as empresas passam a lançar a folha de pagamento mensalmente, e atualizar todas as mudanças trabalhistas que sofrem ao longo do tempo, com prazos estipulados e através do RET (Registro de Eventos Trabalhistas), o eSocial monta um banco de dados completo sobre cada empresa e fica disponibilizado na forma de um arquivo XML na internet.

São operações que eram realizadas no antigo sistema de forma mais separada e com prazos flexíveis, que agora devem respeitar os prazos estipulados pelas leis trabalhistas vigentes, como cadastro de trabalhadores, demissão, admissão, aviso prévio, férias, afastamento, obrigações de medicina do trabalho, comunicação de acidente de trabalho, alteração de salário, folha de pagamento, retenções de contribuições previdenciárias, informação sobre FGTS e imposto de renda.

Como parte da unificação, o eSocial exige mais comunicação entre todos os setores de uma empresa, já que todo o cenário fiscal e trabalhista passa a ser lançado por um único sistema, promovendo mais integração entre os departamentos.

O sistema eSocial passa a ser uma obrigatoriedade por todas as empresas optantes pelo Sistema Simples Nacional, à partir do dia primeiro de janeiro de 2017.

Parece ser uma mudança um pouco assustadora em uma primeira instância, mas se trata de uma forma mais organizada de tratar toda a burocracia exigida para se abrir e manter uma empresa.

Se para a empresa o sistema eSocial vem para desburocratizar as obrigações Fiscasis, Previdenciárias e Trabalhistas; para os trabalhadores é uma forma mais eficiente de garantir que os empresários cumpram as normas trabalhistas, já que a supervisão fica mais acirrada.

De toda forma, é um sistema que vem sendo implantado apoiado com a tecnologia e a rapidez do crescimento dos serviços realizados pela Internet. Uma forma mais ágil e moderna de lançar todas as faces que uma empresa possuí.

 

Tags,

Capital humano O que é?

Hoje, mais do que nunca, esse tema está muito em voga. A humanidade vem passando por diversas transformações do meio de trabalho, viemos da agricultura, passamos pelas eras do Ferro e do Cobre, a Revolução Industrial e agora, estamos no meio de uma Revolução Tecnológica.

A força de trabalho fica cada vez mais em segundo plano, ainda amplamente explorada por Industrias e no Agro, mas ainda assim sendo substituída aos poucos pela tecnologia. Com essas mudanças o Capital Humano ganha mais foco.

E o que é o Capital Humano?

O Capital Humano não é mensurável, é aquilo que você aprende e te capacita a trabalhar em alguma área. É diferente da Força de Trabalho, que é uma mão de obra física. O Capital Humano é a força de trabalho intelectual, resultado de cursos, faculdades, domínio de outras línguas, conhecimento e talento que permite que o funcionário exerça uma função que não depende de maquinarias ou da força física de trabalho. Um profissional de TI, por exemplo, é o Capital Humano de uma empresa, pois ele não precisa de força de trabalho, e o que tem a oferecer aos seus empregadores é apenas o seus conhecimentos intelectuais.

O conceito de Capital Humano é elaborado pela primeira vez entre as décadas de 50 e 80, e principalmente por Gary Becker, nos anos 60, derivado dos conceitos de capital fixo (maquinaria) e capital variável (salários). Porém, muito antes, Marx já havia levantado esta questão analisando a venda dos “talentos” de cada um para o sistema capitalista.

Qual a importância do Capital Humano em um ambiente Corporativo?

Com as profundas modificações no mercado de trabalho com a revolução tecnológica, a gestão do Capital Humano passa a ser uma importante ferramenta para garantir a máxima produtividade em uma empresa.

Acompanhe, usando conhecimentos de psicologia, relações humanas e gestão de pessoas; podemos identificar os talentos e fraquezas das pessoas que trabalham em uma certa empresa.

Com o máximo aproveitamento destes talentos, e o mínimo impacto destas fraquezas, a empresa obtém o máximo de produtividade de cada funcionário. A gestão do Capital Humano diz respeito a isso.

Hoje em dia, a cultura empresarial de que funcionários felizes, bem aproveitados e tranquilos produzem muito mais do que os oprimidos e explorados vem tomando força. As empresas investem cada vez mais em capacitar o intelecto de seus funcionários com programas de bolsas de estudo, workshops e até mesmo benefícios de controle ao estresse.

Dessa forma, empresas que dependem 100% do capital humano, como as Agências de Propaganda, Empresas de TI, Centros de Saúde ou Educacionais e afins, conseguem maximizar a produção com a gestão do Capital Humano e incentivo ao desenvolvimento de talentos, uma vez que a matéria prima explorada não é física, e sim intelectual.

Eventualmente, as empresas perceberão que funcionários com síndrome do Prego e do Parafuso se tornam improdutivos. Ou seja, um ótimo prego não necessariamente será um bom parafuso, e o gestor que não enxerga isso mantém uma receita contra-produtiva.

Tags

Cálculo-Trabalhista

Cálculos trabalhistas

A vida é uma caixinha de surpresas e, somando possíveis crises econômicas no país, falências de empresa ou até mesma uma insatisfação pessoal com o trabalho, pode ser que em algum momento da sua vida você se encontre à beira de uma rescisão de trabalho. Mas nem sempre é claro ou simples fazer um Cálculo Trabalhista.

A primeira coisa que devemos saber é qual o tipo de rescisão que estamos falando.

  • Pedido de Demissão
  • Demissão sem Justa Causa
  • Demissão com justa Causa
  • Rescisão de Comum Acordo

Para cada caso, um desfecho. De uma forma generalista, o cálculo trabalhista será feito na seguinte base:
Se o funcionário pede a demissão, ele recebe como rescisão apenas o salário, férias e décimo terceiros proporcionais;

Caso a empresa tenha dispensado o funcionário sem justa causa, ele recebe salário, décimo terceiro e férias proporcionais, pode sacar o seu fundo de garantia integral, e ainda é indenizado em 40% do valor do FGTS recolhido;

Se ambas as partes optaram pela rescisão, o funcionário pode movimentar até 80% do FGTS e recebe salário, férias e décimo terceiro proporcionais, mas não tem direito a seguro desemprego e nem a multa indenizatória de 40% sob o FGTS;

E por fim, se o caso é uma dispensa por justa causa (roubo, agressão, abandono do trabalho, injúria racial e afins), o funcionário perde todo e qualquer direito indenizatório.

 Aviso Prévio

Este é um direito tanto do empregado quanto do empregador. É um período de tempo a ser trabalhado após a dispensa, que depende do tipo de rescisão. Este período garante que o trabalhador tenha tempo de encontrar outro emprego, no caso de dispensa sem justa causa, ou que o empregador tenha tempo de encontrar um substituto, no caso do pedido de demissão.

Este aviso também pode ser trabalhado ou indenizado. Caso seja trabalhado, o funcionário trabalha até o fim do seu contrato e recebe seu salário normalmente, inclusive com dsconstos do INSS e IRPF. Caso o empregador opte pelo aviso indenizado, o funcionário cessa com suas funções imediatamente e o valor deste aviso prévio entra como multa indenizatória no cálculo trabalhista. Mas, se quem decide não trabalhar o aviso é o funcionário, quem é indenizado é o empregador.

No caso da dispensa por comum acordo, presente na nova lei, o funcionário pode fazer o aviso trabalhado de trinta dias, ou indenizado, que neste caso conta-se apenas 15 dias.

Saldo do Salário

O saldo do salário nada mais é que o valor pago por dia de trabalho contando do primeiro dia do mês até o momento da rescisão. Lembrando que se o último dia de trabalho cair em uma sexta-feira e o sábado fo compensado, o domingo entra no cálculo trabalhista como dia indenizado.

Férias

Tanto no pedido de demissão, comum acordo ou demissão por parte do empregador, você tem direito a receber suas férias vencidas e\ou férias proporcionais ao tempo trabalhado e somado 1\3 deste valor.

Ou seja, se suas férias estão vencidas, você recebe um salário completo + um terço de salário. No caso das férias proporcionais, conta-se quantos meses foram trabalhados do contrato ou do vencimento das últimas férias vencidas. Ex., se você foi contratado em janeiro e dispensado em julho do mesmo ano, você tem direito a 6\12 avos de salário, melhor dizendo, o seu salário é dividido por doze meses e é recebido quantas “parcelas” de meses foram trabalhados; e sob este valor é acrescido um terço como indenização no cálculo trabalhista.

Décimo Terceiro

Também entra no cálculo trabalhista p décimo terceiro proporcional. Cada mês equivale a 1\12 de um salário, então é somado no cálculo o seu salário base com descontos de INSS e IRPF dividido por 12 (meses de um ano) e multiplicado pelo número de meses trabalhados até o final do contrato de trabalho, incluindo o aviso pévio. Este cálculo não acontece no caso de uma demissão por justa causa.

FGTS

O FGTS é um valor cumulativo depositado diretamente na sua conta de Fundo de Garantia que é descontado de seu salário mensal e pode ser movimento integralmente caso seja demitido sem justa causa; ou 80% de sua totalidade numa rescisão de contrato em comum acordo.

O FGTS só pode ser sacado nas duas opções acima, porém não é um dinheiro perdido no caso do pedido de demissão ou demissão po justa causa. O valor fica guardado em sua conta de Fundo de Garantia e pode ser usado para financiamento de imóveis ou retirado na aposentadoria.

Caso a rescisão seja por demissão sem justa causa, o empregador paga 40% de multa calculado sob o valor do FGTS, se o caso é um comum acordo, a empresa paga apenas 20% do valor do FGTS.

Seguro Desemprego

Tem direito ao seguro desemprego todo trabalhador contratado no modelo CLT, que não usou o benefício no último um ano e meio e que foi dispensado sem justa causa. O número de meses que receberá o benefício e o valor do mesmo será calculado de acordo com o valor do seu salário e o tempo de casa antes da demissão.

De uma forma bem superficial, o cálculo trabalhista é feito com base nos tópicos apresentados, mas ainda assim pode ser bem mais específico quando levado em conta coisas como acidentes de trabalho, férias indenizadas, trabalhos insalubres e outras variáveis.

O importante é procurar sempre um advogado trabalhista e o sindicato competente para tirar dúvidas, nunca assinar nada sem ler e compreender antes e, sempre pedir que seja tudo claro e transparente na hora da apresentação do cálculo trabalhista. Além disso, existem diversos sites onde você pode simular o seu acerto e estar preparado para o momento da rescisão de contrato de trabalho.

 

 

 

Tags,