4 maneiras para você se manter até se recolocar no mercado de trabalho

4 maneiras para você se manter até se recolocar no mercado de trabalho

E o desemprego bateu na sua porta? É realmente um momento muito difícil, de questionamentos, dúvidas e incertezas.

E quando falamos de um Brasil com uma taxa de desemprego de 13% em março de 2018, chegando a quase 14 milhões de pessoas, o cenário é bastante nebuloso e precisamos estar preparados para um período sem emprego que pode ser mais longo do que imaginamos.

E no meio de tantos dilemas, a questão mais crítica é certamente a financeira.

Até quando minha reserva financeira sustentará sem um emprego? Que padrão de vida eu quero manter durante esta fase? Que padrão de vida eu posso ter?

São perguntas que surgem para todos e independem da situação financeira. Neste artigo, vamos falar de 4 maneiras para você se manter até se recolocar no mercado de trabalho.

Acreditamos que pode ser muito útil para seguir em frente mais seguro.

1. Mapear completamente as Finanças

Infelizmente é comum as famílias só se preocuparem em controlar as finanças em momentos de crise. O resultado é pouca coisa a ser melhorada, porque tem compromissos futuros firmados ou não há gestão sobre eles.

Você não sabe por quanto tempo estará desempregado e também não quer que a reserva financeira atual, às custas de muito esforço, seja consumida totalmente.

O passo é levantar o seu cenário financeiro:

  • Mais amplo possível. Relacionar todas as receitas e despesas, incluindo aquela despesa anual esquecida que em breve vai aparecer.

Aqui a tática é lembrar de tudo.

  • Mais realista possível. Não subestimar os valores das despesas, usando números reais e prevendo aumentos. E não superestimar as receitas.

Aqui a tática é ser transparente.

2. Definir um Orçamento desafiador, participativo e controlado

Essa é a hora da verdade sobre as contas da família. E o comprometimento será fundamental.

  • Defina um horizonte de desafio. Ele não deve ser curto demais que não transmita a criticidade do momento e nem longo demais que permita recuperar lá na frente os meses não atingidos.
  • Independe do percentual da sua renda no orçamento, é uma receita parada que fará falta.
  • Muitos pais preservam os filhos neste momento. Nada é mais prejudicial ao amadurecimento deles – é uma experiência que ensina muito. E podem contribuir com ideias que cabeças cansadas não percebem.
  • Orçamento ruim se controla, orçamento bom também. Lembre-se que é uma fase com menos receita e mesmo que o saldo atual seja positivo, ele pode deixar de ser à medida que o emprego não surge e as contas chegam.
  • Algumas ações podem ser implementadas, com prazos e responsáveis:
  1. Cortar ou reduzir ao máximo despesas não essenciais – Lazer, Vestuário, Presentes e Viagens.
  2. Discutir e ouvir opções de redução para contas essenciais – Mercado, Energia, Gás.
  3. Renegociar – Colégio, Aluguel, Financiamentos.
  4. Suspender ou rever planos – Viagens, Cursos.

Evidentemente um Intercâmbio quase quitado não precisa ser cancelado. Vale o bom senso para as tomadas de decisão em cada item.

E abra uma nova linha de Despesa: Qualificação. Vamos falar dela agora.

3. Invista em qualificação sem preconceito

É importante estar atualizado com as técnicas e mudanças da sua área profissional enquanto estiver desempregado. Elas vão se tornando parte dos requerimentos em processos de seleção. E temos boas notícias neste ponto, nem tudo é ruim:

  • Se não puder fazer a certificação (custo), procure ursos de atualização mais baratos. A Internet tem opções com ótimos preços como a Udemy ou até gratuitos.
  • A qualificação pode ser fora da sua área mas relacionada. Já pensou em um curso de Redação de Conteúdo Web para um jornalista? Pode revelar um novo caminho profissional mais prazeroso.

A regra é não deixar a qualificação parada.

4. Reinvente-se sem medo

Os mercados de Trabalho e de Negócios nunca foram tão dinâmicos como nos dias atuais. As oportunidades são diversas, principalmente para quem tem experiência profissional.

  • Tornar-se um Consultor na sua especialidade e trabalhar como Pessoa Jurídica.
  • Associar-se a outras pessoas e abrir um negócio.
  • Investir em trabalhos de freelancer e abrir uma empresa de Prestação de Serviços.

Talvez a experiência ruim do desemprego desperte um profissional mais motivado, fazendo o que satisfaz e ganhando dinheiro.

Neste artigo, procurei abordar os pontos que podem ajudar você a se manter enquanto procura recolocação no mercado.

Porém, imprevistos acontecem, exigem mais do que você fez e colocam em risco as suas finanças e o seu crédito. Nestes casos, um empréstimo pode ser uma alternativa.

E não precisa ser algo tão difícil e caro como as soluções tradicionais. No blog Bons Investimentos, você tem tudo sobre plataformas online de empréstimos e empréstimos para negativados. É informação qualificada de profissionais de Finanças, que recomendo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *